Excesso de dados: você possui?

30/01/2019
Excesso de dados: você possui?

Nos últimos 5 anos, o termo Big Data ganhou destaque no cenário corporativo do Brasil, acompanhando a tendência mundial de trabalhar com dados diversos, nem sempre estruturados em Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados. Porém, essa captura de tudo o que for possível sobre os usuários acabou gerando um problema: o que fazer com essa enorme quantidade de dados?

 

Em linhas gerais, os gestores de TI devem atentar ao que precede a TI, inclusive em seus cargos: a gestão. Administrar dados requer focar no que realmente importa. Às vezes, o excesso de dados representa uma oportunidade em potencial no futuro. E, novamente, surge um dilema: como definir o que é ou não relevante para o negócio? No post de hoje, vamos mostrar maneiras de ajudá-lo a responder esses questionamentos.

 

O que realmente interessa?

Tudo aquilo diretamente relacionado à operação da sua empresa é relevante. Num sistema de Big Data, tudo que for gerado e não se conecte diretamente ao “core business” da organização é excesso. Por exemplo: imagine que sua empresa atua no segmento varejo para pessoa física, com pontos de venda físico nas capitais brasileiras, e canais digitais de relacionamento e vendas nas mídias sociais, além do e-commerce em loja virtual.

 

Dados como nome completo, data de nascimento, endereço de entrega, CPF e forma de pagamento são indispensáveis para sua operação. Registrar os contatos e interações nos diversos canais disponíveis é algo relevante e consiste num bom uso da coleta de dados, pois está diretamente relacionado ao negócio de vender no varejo. Porém, se a sua empresa começa a registrar quais itens o cliente visualizou no e-commerce para sugerir ofertas via e-mail ou em anúncios pagos das redes sociais, esse é um exemplo de dados em excesso. Afinal, a lista de ofertas para cada cliente surgiu do processamento de informações coletadas que são dispensáveis à operação da empresa, nesse caso, os produtos que ele visualizou e não comprou. Até esse ponto, o sistema convencional sinalizou apenas que o processo de venda da mercadoria via e-commerce foi iniciado e interrompido.

 

Como fazer o processo acontecer?

Para que essa interação via e-mail ou redes sociais seja eficiente, é fundamental que as informações sejam cruzadas com as interações nos diversos canais de atendimento. Quanto tempo ele passou navegando no site? Ele consultou outros produtos similares? Já comprou algum produto similar anteriormente? Já registrou alguma queixa com determinada marca desse segmento? Observe que eleger os dados primários do seu negócio é o primeiro passo para um sistema eficiente de Big Data. É preciso fazer as perguntas certas para que a montanha de dados gere respostas úteis. Uma boa estratégia é trabalhar com indicadores-chaves, os famosos KPIs, mapeando os processos fundamentais para sua empresa performar. Naturalmente, só será possível acompanhar e gerar informações relevantes ao monitorar e medir essa operação.

Seja transparente

Num mundo cada vez mais interconectado, seja o mais transparente possível com seu público, seja ele interno ou externo. Os usuários precisam estar cientes de quais dados estão sendo coletados pela empresa, qual a finalidade da coleta, e declarar sua aceitação quanto a isso. Ao mesmo tempo, os colaboradores precisam ter ciência de que todo o seu desempenho está sendo monitorado constantemente, gerando indicadores de performance que permitem aos gestores monitorar sua produtividade. Sempre que possível, consulte um especialista sobre a implicações e riscos legais que sua empresa estará sujeita ao cruzar as informações. Afinal, o poder do Big Data surge no relacionamento e checagem de informações para detectar padrões.

 

Anonimato sempre que possível

O uso dos dados coletados em massa para melhorar a experiência do cliente não requer a identificação dos indivíduos. Por exemplo: João tem 55 anos e é cliente há 3 anos da sua loja de varejo. Declarou numa pesquisa de satisfação que o site é confuso e pouco intuitivo. O registro dessa informação pode ser feito como usuário do sexo masculino, com mais de 50 anos e cliente há 3 anos ou mais. Agregar os feedbacks de todos os usuários do site por sexo, faixa etária e tempo como cliente não requer informações pessoais e cabe ao gestor dos dados estabelecer essa prática.

 

Na dúvida, registre

A tecnologia evoluiu num ritmo exponencial na última década. Se algum dado pode ser gerado pelo sistema, faça o registro. Mesmo que, hoje, essa informação não seja útil. Em algum momento futuro, é possível que ela seja cruzada com outros dados e se transforme num diferencial para sua companhia.

Gostou das dicas? Visite sempre nosso blog para se manter atualizado.