• Ícone bandeira do Brasil
  • Ícone bandeira da Inglaterra
  • Ícone bandeira da Espanha

Open Source: o que é?

13/12/2016
Open Source: o que é?

Falar sobre código aberto no Brasil normalmente inicia debates acalorados que ultrapassam as fronteiras da TI. No post de hoje, vamos focar no conceito e suas aplicações cotidianas ao setor de Tecnologia. E aí, você sabe o que é o código aberto, ou acha que é sinônimo de software livre?

Definição de open source

O termo pode ser traduzido literalmente para código aberto. Na prática, isso significa que qualquer usuário, seja ele pessoa física ou jurídica, tem permissão de acessar e consultar o código. O termo foi adotado após uma reunião, em fevereiro de 1998, na qual os idealizadores do movimento debatiam formas de aproximar o software livre das empresas, deixando de lado questões ideológicas e filosóficas que caracterizam o free software. Ou seja: aproximando os avanços tecnológicos que uma comunidade aberta de desenvolvedores pode atingir, da realidade de negócios vivenciada pelos empresários. De forma gratuita na aquisição das licenças.

Da reunião em 1998 nasceu a Open Source Initiative, ou OSI. Desde então, foram estabelecidos os 10 pontos para que um software seja licenciado como código aberto.

1: Distribuição Livre

A licença não pode impedir ou restringir o acesso gratuito ao software.

2: Código fonte

O software deve ser distribuído com seu código fonte. Caso seja um software compilado, deve ser disponibilizado um link de acesso para que todos os usuários possam fazê-lo.

3: Trabalhos Derivados

A licença deve permitir modificações e distribuições do código gratuitamente, e garantir que os softwares gerados mantenham os termos originais da licença em suas distribuições

4: Integridade do autor do código fonte

Complementando o tópico 3, o quarto ponto estabelece que a licença deve permitir a distribuição do programa construído por meio do código fonte modificado. No entanto, a licença pode requerer que programas derivados tenham um nome ou número de versão distintos do programa original. Isso dependerá da preferência do desenvolvedor do código original. Esse tópico vai ser importante mais à frente.

5: Não discriminar pessoas ou grupos

Todos podem ter acesso ao código fonte, independente de quem sejam.

6: Não discriminar áreas de atuação

Complementando o tópico 5, o sexto ponto estabelece que a licença não pode discriminar áreas de atuação. Isso significa que tanto o Governo quanto a Iniciativa Privada, com atuação em qualquer área, podem fazer uso do programa.

7: Distribuição da licença

Os softwares gerados a partir do código aberto devem manter-se abertos, sem a necessidade de uma nova licença.

8: Licença não específica ao software

Complementando o tópico 7, o oitavo ponto estabelece que um software gerado a partir de trechos ou distribuições de outro software open source deve se manter open source, mantendo todos os direitos originais nesse novo produto. Ou seja: uma modificação feita por uma empresa deve ser disponibilizada para todos.

9: Licença não restritiva

A licença de um código aberto, desde que seja distribuída junto da licença do produto final no qual ele esteja inserido, não pode limitar o uso de outros softwares. Esse é um ponto importante na diferenciação entre código aberto e software livre.

10: Licença neutra em relação à tecnologia

A licença deve permitir novas interfaces, estilos e tecnologias sem restrições. Esse é outro ponto importante, como veremos a seguir.

Código aberto X software livre

É muito comum confundir os termos. Ainda que muitas vezes sejam utilizados como sinônimos, o open source difere do software livre num conceito elementar: o de propriedade. Um software livre necessita que todos os seus componentes sejam software livre, o que significa que o uso de qualquer trecho de código proprietário é proibido. Da mesma forma, usar um software livre para gerar um software que não seja livre também é proibido.

Observe que os tópicos 4, 9 e 10 do open source entram em conflito com essa exigência. E temos no Firefox e no Ubuntu exemplos que esclarecem a diferença entre os termos.

Firefox é código aberto, não software livre

O licenciamento do navegador da Mozilla é gratuito e seu código está disponível para consulta e modificação da comunidade. Porém, é exigência que qualquer modificação realizada pela comunidade seja disponibilizada com outro nome, diferente de Firefox e que não seja vinculado à Mozilla. Os navegadores Iceweasel e Iceape são softwares livres que derivam do código fonte do Firefox.

Ubuntu é código aberto, Debian é software livre

Ainda que o Ubuntu seja uma distribuição Linux derivada do Debian, ambos trabalham de formas distintas com algo fundamental na computação corporativa: o uso de drivers. Enquanto o Debian só aceita software livre, o Ubuntu trabalha com drivers proprietários para interfaces de rede, placas de vídeo e impressoras, por exemplo.

Gostou da postagem de hoje? Conhecimento é fundamental para se manter atualizado. Visite sempre o nosso blog.

Solicite uma proposta Solicite uma proposta Agende um tour Agende um tour Chat online Chat online