A importância do SLA de atendimento na hora de contratar seu provedor de colocation

Que tal ouvir o nosso conteúdo?

Um dos aspectos mais essenciais para a contratação de um provedor de Colocation é, sem dúvidas, o cumprimento dos níveis de serviços e atendimento acordados, conhecido como SLA.

Como o Colocation é um serviço fornecido ao cliente, é prática comum de mercado que os provedores ofereçam diferentes SLAs — que vão ditar o nível de serviço e suporte dado, bem como outros termos da relação.

O objetivo é, justamente, garantir que nenhum lado saia perdendo e que as expectativas estejam alinhadas quando o negócio é fechado.

Neste conteúdo, vamos abordar o tema mais a fundo, explicando o que é um SLA de atendimento de qualidade e qual a sua importância na contratação de Colocation. Vamos lá?

SLA: o que é?

SLA, sigla para Service Level Agreement (ou Acordo de Nível de Serviço), é um acordo que formaliza os detalhes relativos à prestação de serviços, como tudo que deve ser cumprido e os responsáveis por tal.

É um documento completo, um verdadeiro contrato entre provedor e cliente, que torna mais transparente o nível de serviço previsto.

Tradicionalmente, os provedores de Colocation elaboram um contrato de nível de serviço (SLA) com o cliente para definir tudo que será prestado ao cliente, como:

  • Os termos do acordo;
  • Informações sobre o tempo de atividade;
  • Diretrizes, métricas e relatórios;
  • Restrições e cláusulas para que nenhuma parte possa tirar vantagem injusta.

É um acordo com instruções e cláusulas que cabem aos dois envolvidos: provedor e cliente, ditando suas responsabilidades e direitos. Assim, ambos ficam cientes de tudo que precisam cumprir para que a parceria funcione nos termos acordados, bem como também definem as penalidades caso haja falhas em cumprir o que foi definido no SLA de atendimento.

Para que serve e qual a importância do SLA de atendimento?

A importância do SLA de atendimento é servir como um acordo formal entre quem presta o serviço e quem paga por ele. Assim, proporciona mais segurança, transparência na gestão de entregas, define as responsabilidades e deixa claro quais as principais métricas.

Desse modo, o cliente sabe exatamente o que esperar da prestação de serviços e como medir seu desempenho, e no caso de descumprimento de algum termo, independente do envolvido, a empresa sabe quais seus direitos, penalidades e multas podem incorrer.

Outro ponto é que o SLA ajuda os clientes a se protegerem de cobranças indevidas.

Entenda os benefícios do SLA na hora de contratar um provedor de colocation

O SLA é um componente estratégico e essencial na hora de escolher o provedor de Colocation ideal para seu negócio.

Primeiro, vale ressaltar: sem SLA de atendimento, não há acordo! O documento serve de proteção tanto para sua empresa, no papel de cliente, quanto para o provedor. Ele delimita as responsabilidades e torna todo processo de prestação de serviço mais claro.

Que tal conferir mais sobre os benefícios? Separamos uma lista para você, veja só:

Garantia da qualidade do serviço prestado

Uma vez que o cliente fecha um contrato de prestação de serviço com um provedor, o mínimo que se espera é qualidade nas entregas.

No entanto, por vários motivos, muitas vezes essa não é a realidade.

O SLA funciona como uma garantia extra e definitiva de qualidade, estabelecendo as métricas para que os resultados e o desempenho sejam mensurados.

Dessa maneira, fica mais fácil para o cliente medir o nível de qualidade e se proteger de eventuais falhas na entrega.

Além disso, a “régua” que o SLA de atendimento estabelece serve para que o provedor jamais se perca na hora de prestar o serviço.

Pois ele sabe que, no momento que o fizer, pode haver consequências.

Outro ponto é que o SLA de atendimento ajuda os provedores a seguirem os padrões internos e mesmo externos, adequando-se mais rapidamente às rotinas dos seus clientes.

Traz transparência na negociação

Como pontuamos, o SLA de atendimento é o documento ideal para dar maior segurança aos envolvidos. Principalmente, pois promove garantias — inclusive jurídicas, por ter seus termos respaldados em contrato — que protege cliente e provedor.

Por exemplo, caso o cliente perceba que o serviço não é prestado com a qualidade esperada, basta mensurar as métricas e evidenciar as cláusulas, e é isso o que pode garantir uma rescisão amigável do contrato, permitindo que a empresa não sofra danos financeiros no processo.

Trata-se de uma garantia não apenas de segurança, mas de transparência em toda negociação — e na relação entre ambos os envolvidos.

Confere credibilidade

O SLA de atendimento é também um instrumento de credibilidade para os envolvidos, pois torna claras as responsabilidades e direitos.

Assim, não há cláusulas escondidas nas “letrinhas” e ambos os lados sabem exatamente o que esperar da outra.

É uma garantia de profissionalismo que gera confiança desde o dia 1.

Garante satisfação para quem contrata o Colocation

Por fim, se a sua empresa espera determinado nível de serviço de um provedor, nada a impede de defini-lo no SLA de atendimento. Suporte técnico, gestão da conta, service desk, tudo isso pode ser incluído no SLA a depender do que for contratado e da política do provedor em questão.

As melhores empresas do mercado oferecem SLAs flexíveis e completos, alinhados com as principais práticas nacionais e internacionais.

Desse modo, o cliente tem satisfação garantida e pode aproveitar de todos os benefícios do Colocation, sem se incomodar, sem dores de cabeça ou quedas na qualidade.

E a sua empresa, já conta com um Colocation de qualidade, com diretrizes de qualidade definidas em um SLA de atendimento que só beneficia seu negócio?

A Ascenty, líder em data centers e Colocation na América Latina, além de oferecer o melhor serviço, também define seus SLAs de acordo com as necessidades da sua organização!

E como a Ascenty garante o melhor nível de serviço para sua empresa?

Simples: além de mais de 12 anos de experiência no mercado, a Ascenty conta com mais de 28 data centers (em operação ou construção) no Brasil, México e Chile.

Além de estarem localizados em locais estratégicos por todo o mapa, são interligados por uma rede de fibra óptica nova e própria de mais de 5.000 km de extensão, rede que também é utilizada para conectar seus clientes diretamente às principais estações de cabos submarinos de São Paulo, Rio e Janeiro e Fortaleza.

Tudo isso garantiu à Ascenty a posição de é líder do quadrante de Colocation no Brasil do ISG Provider Lens™ 2020.

Que tal conhecer mais sobre as soluções de Colocation da Ascenty e tornar sua empresa um case de modernidade? Converse conosco!

5G x 4G entenda as diferenças dessas tecnologias

Que tal ouvir o conteúdo?

Que o assunto 5G x 4G já toma conta do mercado não é novidade. A quinta geração da conexão móvel vai chegar para transformar o mercado — uma disrupção tanto para empresas quanto para consumidores.

No entanto, você sabe quais as diferenças entre as gerações e porque essa mudança é tão importante?

Sobre o panorama do 5G no Brasil já mencionamos em outros artigos:

Após o leilão das torres de transmissão de frequência no fim de 2021, tudo indica que a infraestrutura começará a ser montada ainda em 2022.

Uma vez que o 5G esteja ativo e funcionando nos dispositivos habilitados e nas empresas, o que esperar? Afinal, como entender as diferenças 5G x 4G?

É o que vamos explicar neste conteúdo, confira!

Você sabe o que significa o G do 5G e 4G?

Primeiro, antes de mergulhar no assunto 5G x 4G, há um elefante no meio da sala que gostaríamos de tratar: afinal, o que significa o ‘G’ de 3G, 4G e 5G?

É bem fácil: o G refere-se à Generation ou, em português, Geração.

Quando falamos que o 5G é a quinta geração da conexão móvel, não é apenas uma expressão da moda — é literalmente seu nome técnico!

Talvez você se pergunte: e a primeira e segunda gerações — 1G e 2G, respectivamente? No caso delas, sua criação é mais antiga e a transmissão de dados era extremamente limitada.

A conexão 1G possibilitava apenas a existência do serviço de voz, com protocolos totalmente manuais.

Já a conexão 2G foi uma evolução da primeira, ainda projetada para voz, mas com maior capacidade e maior área de cobertura.

A partir da conexão 3G que as coisas mudaram: não apenas texto, a tecnologia passou a aceitar serviços de Internet e troca de dados multimídia.

4G e 4G+

As tecnologias 4G e 4G+ tratam-se da quarta geração da rede de conexão móvel. Tecnicamente, a conexão foi batizada de Long Term Evolution (LTE), que normalmente aparece nos dispositivos quando conectados.

No caso do 4G+ (conhecido também como 4.5G), trata-se de uma versão mais moderna da conexão, que oferece melhores resultados, com a conexão LTE-Advanced ou LTE-Advanced-Pro.

Uma conexão dessa geração, teoricamente, pode oferecer velocidades de download de 150 (4G) a 450 mbps (4G+).

O 4G+ possui uma diferença bem importante e que já é vista em grandes centros urbanos: essa conexão aumenta a capacidade de transferência entre os dispositivos e a antena que emite o sinal.

No Brasil, utilizam-se antenas com frequências 4G de 2600 MHz, 1800 MHz e 700 MHz.

5G

O 5G é a quinta e mais recente geração de redes de conexão móvel. É uma tecnologia extremamente avançada, que revoluciona a conexão móvel em níveis jamais alcançados anteriormente.

Com o 5G, o objetivo das empresas de telecomunicações é entregar velocidades de conexão de até 10 Gbps, latência ultrabaixa, uma rede mais resiliente, maior capacidade de rede (capaz de conectar milhões de dispositivos) e maior disponibilidade.

Desse modo, o 5G promete revolucionar a forma que pessoas e organizações utilizam a Internet, sendo essencial para uma série de processos.

Um deles é a popularização da Internet das Coisas e dos dispositivos IoT, que geram dados e estão conectados em rede.

No 5G, a capacidade desses dispositivos de gerar e transferir dados para a nuvem ou para o Edge Computing será catapultada, bem como a capacidade de conectá-los em rede.

Sem limitações, o 5G vai transformar a forma que as empresas utilizam a Internet.

5G x 4G: entenda as diferenças:

Mas, na prática, quais as diferenças entre 5G x 4G? Mostramos em detalhes a seguir, confira:

Infraestrutura

O 5G vai exigir uma transformação estrutural — por isso, no Brasil, a adoção será gradual.

O motivo é que será necessário um maior número de antenas por região, que terão que contar com diferentes tecnologias, como o componente RAN e a tecnologia MIMO (multiple input, multiple output).

Além disso, as pessoas e empresas precisarão de novos dispositivos — sejam computadores ou smartphones. Afinal, boa parte dos dispositivos atuais não é projetada para suportar o sinal 5G (alguns sim, mas a maioria dos mais recentes apenas aceita 4G+).

Banda

Outro ponto técnico é a largura de banda do sinal.

O 4G utiliza, como mencionamos, pedaços de bandas de 600 MHz até, em alguns poucos lugares, 2.5 GHz.

Já o 5G vai utilizar 3 bandas combinadas, com frequências e velocidades próprias.

Com isso, diferentes tipos de dispositivos e aplicações poderão ser conectados de maneira simultânea, o que significa maior capacidade de conexão. 

Cobertura

Agora indo para o lado mais prático, o sinal de 5G será emitido por um tipo de onda mais curta (mas muito mais forte). 

Com isso, a cobertura tende a diminuir. Estima-se que levarão alguns anos para que o 5G tenha o mesmo alcance que o 4G atualmente.

Latência

Você sabe o que é latência? É a medida de tempo que leva para um dado viajar de um ponto A para um ponto B.

Na conexão 4G, a latência mínima é de 50 milissegundos — no entanto, dependendo do local, pode demorar muito mais!

Já na conexão 5g, estima-se que a latência mínima será de 1 milissegundo. Ou seja, praticamente instantânea!

Velocidade

Por fim, a velocidade de conexão talvez seja a diferença mais impressionante:

Enquanto a tecnologia de 4G+ mais avançada alcança até 450 Mbps em alguns locais específicos (e em média apenas 100 Mpbs), o 5G promete entregar de 10 a 20 Gbps.

Até 10 vezes mais rápido que a média do 4G atual!

5G x 4G: tabela comparativa

E então, gostou de aprender tudo sobre as diferenças 5G x 4G? Esperamos que esse conteúdo ajude você a entender os detalhes sobre ambas as tecnologias!

E se quiser seguir aprendendo sobre as novidades de conexão, bem como tudo sobre 5G e sua influência na conectividade das empresas, é só seguir de olho em nosso blog!

Qual o papel do Data Center com a adoção do 5G no Brasil?

Que tal ouvir o nosso conteúdo?

O 5G no Brasil deixou de ser um desejo para se tornar um projeto concreto no fim de 2021 com o leilão dos blocos de frequência de transmissão. No entanto, a chegada da tecnologia significa que as empresas precisarão de maior capacidade de processamento de dados.

No fim das contas, falamos de uma inovação que não apenas vai transformar a forma que os consumidores finais lidam com a Internet, mas as empresas como um todo.

Afinal, o 5G no Brasil vai com toda certeza proporcionar mudanças e criar oportunidades incríveis — no entanto, será necessário se adequar.

Mas como exatamente? E qual o papel dos data centers na implementação do 5G? É o que vamos mostrar neste conteúdo, contando tudo sobre a quinta geração da conexão móvel. Vamos lá?

Como será feita implementação do 5G no Brasil

A chegada do 5G no Brasil demorou um pouco mais do que o esperado para se concretizar, mas aconteceu. O leilão dos blocos de transmissão foi realizado e já se sabe quais empresas poderão oferecer o 5G e se responsabilizarão pela infraestrutura. Entre elas, grandes companhias de telecomunicação como a Vivo e a TIM adquiriram os direitos dos blocos de transmissão de frequência nacionais.

Sobre datas, ainda há certa indefinição — o que se espera é que ainda em 2022, alguns pontos das capitais brasileiras já possuam a cobertura 5G.

Mas e como a implementação será feita?

Bom, vale dizer que a infraestrutura necessária para transmissão precisará ser repensada, especialmente no que diz respeito à rede e suporte. O ecossistema inteiro vai mudar.

Vamos ao básico:

Qualquer sistema de comunicação sem fio utiliza frequências de rádio. É o caso do 5G — que por sua vez usa frequências de rádio mais altas e menos desorganizadas, conhecidas como mmWave.

Isso permite que o 5G carregue mais informações mais rapidamente. No entanto, esse tipo de onda é facilmente bloqueado por obstáculos físicos.

Para contornar esse problema, o 5G no Brasil vai exigir um número muito maior de antenas de entrada e saída, de modo a aumentar a força da frequência de transmissão e aumentar a capacidade da rede.

O 5G também vai utilizar transmissores menores — e não apenas grandes antenas em mastros, muito comuns em locais específicos ao longo das cidades.

Por que o 5G vai demandar Data Centers de ponta?

Um dos principais benefícios do 5G no Brasil é a velocidade de banda, que pode chegar a até 10 Gbps. É um avanço considerável, que vai impactar o mercado, gerando novas oportunidades e modelos de negócios.

Com o 5G, o uso de tecnologias como realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR) em dispositivos móveis aumentará exponencialmente. Falamos essencialmente de mais conteúdo sendo gerado e consumido. Assim, será necessário proporcionar mais capacidade de armazenamento e a nuvem será tão essencial quanto é atualmente.

Em específico, a computação na borda (edge computing), que é uma tecnologia de geração, armazenamento e processamento de dados no local em que é coletado (ou o mais próximo possível dele).

Assim, aplicações que exigem baixa latência e alta estabilidade de rede podem aproveitar da computação na borda — como é o caso de dispositivos IoT, como biossensores médicos ou mesmo carros autônomos.

O motivo é simples: esse tipo de aplicação ou dispositivo gera um enorme volume de dados e para que sejam correta e eficientemente processados, eles precisam da computação na borda. Afinal, o edge computing requer data centers interconectados e mais próximos, de modo a operar com eficiência.

Como o Data Center Colocation é capaz de auxiliar na implementação do 5G no Brasil

O ponto acerca do 5G no Brasil e as tecnologias que virão na sua esteira, como o edge computing e a IoT, é que elas serão capazes de proporcionar melhor desempenho e uma experiência de usuário elevada.

Tanto para empresas, em seus processos internos, como para usuários finais, em sua rotina.

Agora, qual o papel do colocation nessa questão?

Como mencionamos, o 5G vai impactar pesadamente a infraestrutura dos data centers. Para que novas aplicações, sistemas e dispositivos sejam utilizados, será necessário dobrar, triplicar ou quadruplicar a capacidade de armazenamento e processamento de dados.

Uma boa notícia é que o edge computing serve justamente para resolver esse problema — mas ainda assim, data centers serão necessários.

É aqui que o colocation entra em questão. Sua contratação pelas empresas será capaz de diversificar o ambiente de dados delas.

Assim, dependendo do provedor — preferencialmente, aquele com infraestrutura robusta, como a Ascenty, líder no segmento em toda América Latina — será possível descentralizar os ambientes de armazenamento e processamento de dados.

Tudo isso contando com as vantagens do modelo colocation — no qual a sua empresa terceiriza a infraestrutura do data center.

E se for possível aproveitar ainda maiores diferenciais no serviço de colocation? A Ascenty oferece uma gama de soluções relacionadas ao serviço.

Muito além de terceirizar sua infraestrutura e contar com todo suporte de uma equipe de ponta, a Ascenty possibilita diferentes tipos de contratação do colocation.

Um deles é a solução Racks, na qual a sua empresa aluga um espaço com energia e refrigeração necessárias para a instalação dos seus servidores, — com toda segurança que os principais protocolos exigem.

Além disso, você pode escolher a modalidade Cage, uma opção em que sua infraestrutura é separada por um gradil em uma zona de segurança dentro do Data Hall da Ascenty, aumentando a proteção e privacidade do ambiente de TI.

E claro, ainda há a alternativa das Áreas Dedicadas: zonas totalmente personalizáveis, onde você pode montar sua infraestrutura utilizando um grande espaço exclusivo, bem como gerenciar toda a segurança do ambiente.

E aí, que tal modernizar seu ambiente de dados e aproveitar de todo potencial do 5G no Brasil para revolucionar seu modelo de negócios, não deixando nenhuma oportunidade passar?

Então marque uma reunião com a Ascenty e descubra como as soluções da líder em data centers na América Latina podem ajudar o seu negócio!

5G: o que você precisa saber sobre essa nova tecnologia

Que tal ouvir o nosso conteúdo?

O 5G está rapidamente deixando de ser a tecnologia do futuro para ser a tecnologia do agora. Na prática, estamos falando de uma inovação que vai muito além de uma melhor conexão móvel para o seu celular. É uma revolução no modo como a própria Internet funciona e nos serviços a serem disponibilizados.

No caso das empresas, o 5G promete muito: maior capacidade de conexão, novas oportunidades de negócio e uma evolução no modo como se lida com dispositivos móveis.

Que tal entender mais? Preparamos um guia básico sobre o 5G, explicando tudo sobre a tecnologia, suas vantagens e o panorama do Brasil em relação à implementação do 5G. Vamos lá?

O que é o 5G?

O 5G é a próxima geração de conexão móvel. É um novo padrão mundial, que sucede as redes 1G, 2G, 3G e a última, a 4G. Essa rede é muito mais robusta e flexível e com maior alcance (pode conectar praticamente todas as máquinas, objetos inteligentes e dispositivos móveis).

Mas afinal, como funciona o 5G? Uma vez implementada, esta rede vai contar com 2 componentes indispensáveis: a Radio Access Network (RAN) e a Core Network (o Core).

A RAN é o que possibilita a alta conectividade e alcance das ondas 5G. Esse componente é uma rede de hardware composta por uma variedade de dispositivos- de pequenas células a torres de controle.

Ela dispara ondas milimétricas (mmWave), também conhecidas como frequência extremamente alta (EHF) e frequência muito alta (VHF).

As mmWaves têm comprimentos de onda curtos que variam de 10 milímetros a 1 milímetro, o que as torna úteis onde o alcance é muito curto.

Além disso, as antenas de 5H utilizam tecnologia MIMO (multiple input, multiple output), que multiplicam a capacidade de vários sinais transmitindo-os por várias antenas.

O uso de vários elementos ou conexões possibilita enviar e receber mais dados simultaneamente. Assim, mais pessoas podem se conectar à rede ao mesmo tempo e manter um alto rendimento.

Outra mudança do 5G em relação a outras gerações de rede é que, antes, no 3G e 4G, as conexões tinham como foco a troca de dados para manter serviços para celulares.

O 5G trata da integração com a Internet e serviços baseados em nuvem e inclui servidores distribuídos em toda a rede, o que reduz ainda mais a latência.

Esses servidores, inclusive, têm relação com a computação de borda (edge computing) e a Internet das Coisas.

Quais as vantagens do 5G?

As vantagens do 5G são bastante evidentes uma vez que você entende a tecnologia. Ela foi projetada para oferecer maior capacidade conectiva e possibilitar experiências do usuário de última geração, assim como fornecer novos serviços.

Com altas velocidades, maior confiabilidade e latência superbaixa, o 5G expandirá o ecossistema móvel para novos domínios.

Na prática, falamos de uma tecnologia que vai impactar absolutamente todos os setores, tornando o transporte mais seguro, capacitando a assistência médica remota, melhorando a agricultura de precisão, aprimorando e digitalizando a logística, entre muitos outros benefícios.

Para você entender o impacto do 5G, preparamos uma lista. Veja só:

Velocidade

O 5G não é apenas rápido. É muito rápido. O suficiente para permitir que um usuário baixe um filme completo em seu smartphone em segundos.

A relação de velocidades é a seguinte:

  • 3G: download de 3 Mbps;
  • 4G: downloads de 100 Mbps;
  • 5G: downloads de 10 Gbps — 10 vezes mais rápido que a 4G.

Latência

O 5G também reduz significativamente o tempo de resposta. Ao reduzir o “lag”, o 5G vai revolucionar os jogos online, bem como vai melhorar o controle a dispositivos médicos móveis e carros autônomos.

  • 3G: tempos de resposta de cerca de 100 milissegundos;
  • 4G: tempos de resposta de cerca de 30 milissegundos;
  • 5G: tempo de resposta estimado a 1 milissegundo ou menor — basicamente, instantâneo.

Atualmente, essa ainda é uma tecnologia em fases finais de desenvolvimento — por isso, nenhum país o implementou completamente.

Hoje em dia, os países mais avançados na questão são a China, Coreia do Sul e Estados Unidos.

5G: o que você precisa saber sobre essa nova tecnologia

Qual a situação do 5G no Brasil atualmente?

No Brasil, a implementação do 5G depende de uma série de burocracias que já estão sendo elaboradas e estudadas há muitos anos. A oficialização das operadoras, porém, dependia de um leilão dos blocos de frequência de transmissão.

Organizado pelo governo — e após alguns adiamentos e indefinições — o leilão do 5G no Brasil ocorreu no dia 05/11, ainda em 2021.

O saldo foi de R$ 46,7 bilhões e várias operadoras de telecomunicações, como as famosas Vivo, Claro e TIM, arremataram os direitos de construir suas infraestruturas 5G pelo país.

Não há uma definição sobre quando o 5G passará a ser realidade em todo o território brasileiro, mas conforme apurado em matéria da CNN Brasil, a expectativa é de que ainda em 2022 todas as capitais do país contem com cobertura 5G em pontos de interesse.

Porém, vale a pena ficar de olho nas novidades sobre o assunto para descobrir o andamento da implementação — e você pode contar com a Ascenty para isso!

Para o cliente final, como pessoas físicas, aproveitar o 5G vai significar algumas adequações. Por exemplo, a maioria dos smartphones atuais não suportam a conexão 5G.

Portanto, será necessário atualizar seus dispositivos e contar com modelos mais modernos de smartphones, smartwatches e demais dispositivos inteligentes.

Gostou de aprender tudo sobre o assunto? Saiba que essa tecnologia tem o poder de revolucionar o mercado e as operações. Muito além de atingir os consumidores finais e as pessoas físicas, essa tecnologia vai transformar o mercado corporativo e capacitar as empresas e sua oferta de produtos e serviços.

Que tal seguir de olho em novidades e tendências do mercado de tecnologia? É só continuar de olho no blog da Ascenty!

Como as soluções para Data Center da Ascenty podem elevar o patamar da sua empresa

Que tal ouvir o nosso conteúdo?

Empresas que precisam lidar com os desafios de um mercado tão volátil como o atual sabem o quão importante é contar com soluções para Data Center de alta qualidade. A melhor escolha para ajudar sua organização é a Ascenty!

Líder em data center no Brasil e na América Latina e com infraestrutura que respeita padrões internacionalmente reconhecidos, a Ascenty criou um portfólio completo de soluções para Data Center.

Muito além de proporcionar armazenamento e infraestrutura para os seus dados, a Ascenty trabalha em prol do seu crescimento, segurança de dados e inovação.

Por isso, oferece uma série de soluções personalizadas para o seu negócio.

Que tal conhecer um pouco mais e entender como uma parceria com a Ascenty pode fazer bem a sua empresa? Continue a leitura!

Entenda a importância de investir em soluções para Data Center

Talvez você se pergunte: “Mas o Data Center já não é uma tecnologia de ponta? É tão essencial assim investir em soluções que o complementam, bem como em inovações que potencializem suas capacidades?”.

Vamos explicar: é necessário ter em mente que a tecnologia é uma entidade em constante evolução. No mesmo passo em que as necessidades dos consumidores mudam, altera-se também a forma com que as empresas precisam lidar com isso.

E, claro, não há infraestrutura perfeita. Quando falamos de tecnologias de dados e redes, por exemplo, há sempre fatores para prestar atenção, como:

Um Data Center, apesar de ser uma tecnologia robusta, é um conjunto de equipamentos que necessita de manutenção constante, especialmente ações preventivas.

Entre as causas mais comuns de falhas em Data Centers, podemos destacar as seguintes:

  • mudanças não planejadas;
  • falta de controle de acesso;
  • desatualização de hardwares;
  • falta de conformidade às questões sustentáveis;
  • falta de manutenção no sistema de resfriamento;
  • falta de automação nos procedimentos de tolerância a falhas;
  • falta de manutenção e testes nos equipamentos redundantes.

Situações como essa normalmente levam a um efeito dominó de consequências, dependendo do quão resiliente é a infraestrutura da empresa.

Conheça as principais soluções para Data Center da Ascenty

Você sabia que a Ascenty tem soluções para Data Center que ajudam sua empresa a enfrentar todos esses problemas tão recorrente às empresas atualmente?

A expertise da líder em data centers na América Latina vai além da infraestrutura. Nosso objetivo é criar um ecossistema inteiro de soluções que beneficiem o seu negócio — colocando-o no nível dos principais players do mundo.

Que tal saber um pouquinho mais sobre nossas estratégias? Conheça as soluções para Data Center da Ascenty que vão elevar o patamar da sua infraestrutura de dados e conexão!

Colocation

O Colocation nada mais é do que a terceirização de data centers.

Ou seja, em vez de sua empresa arcar com todos os custos relativos ao investimento e manutenção de equipamentos (geradores, ar condicionado, monitoramento etc), você apenas “aluga” o espaço necessário para sua infraestrutura em um provedor especializado — como a Ascenty!

Com a gente, você pode alugar todo espaço e infraestrutura necessários para que o seu negócio possa operar e crescer.

Referência no assunto, a Ascenty é líder no quadrante de Colocation do relatório ISG Provider Lens™.

Além da opção de Colocation em racks (em meio à outros clientes), sua empresa pode optar também por uma área dedicada (totalmente personalizável conforme suas necessidades) ou pelos cages (data center localizado em uma área com segurança redobrada).

Confira mais detalhes sobre a solução de Data Center Colocation da Ascenty!

Smart Hands

Parte das soluções complementares, a Ascenty oferece o serviço de Smart Hands — um suporte altamente qualificado, totalmente disponível para as necessidades do seu negócio.

Esse serviço pode fazer toda diferença para empresas que precisam de gestão constante em data center Colocation, pois são equipes que atuam como apoio local, efetivo e 24×7.

Confira mais detalhes sobre a solução Smart Hands da Ascenty!

Work Areas

Work Areas é uma solução inovadora da Ascenty, que permite que o seu negócio esteja preparado caso problemas graves aconteçam (queda de luz ou instabilidade dos servidores, por exemplo).

As Work Areas são escritórios dentro dos data centers da Ascenty. Eles estão conectados ao seu ambiente de trabalho e podem ser utilizados como QGs remotos em ocorrências pontuais ou para uso diário.

É uma forma de proteger a continuidade das suas operações independente da situação em que se encontrem.

Confira mais detalhes sobre a solução Work Areas da Ascenty!

Soluções de Implementação

Precisa instalar novos recursos em seus servidores ou realizar a migração dos ambientes de TI? Conte com as Soluções de Implementação da Ascenty!

Temos uma equipe operacional de alta expertise pronta para auxiliar sua empresa em todas as etapas: do planejamento à implementação, seguindo todas as especificações de layout, cabeamento, densidade de energia e segurança.

São vários benefícios e a certeza de máxima eficiência na migração de ambientes de TI.

Confira mais detalhes sobre as Soluções de Implementação da Ascenty!

Disaster Recovery

A ameaça que desastres naturais representam para a continuidade dos seus negócios é grande demais para ignorar. É por isso que a Ascenty possui um dos melhores posicionamentos geográficos para hospedar ambientes de Disaster Recovery.

Considerada uma solução indispensável para o seu data center, ela é capaz de assegurar que sua operação tenha continuidade mesmo que os servidores principais sejam atingidos por algum problema- sejam eles humanos, desastres naturais, relativos à equipamentos, conectividade, operação ou mesmo diante de ataques cibernéticos.

Com esta solução você conseguirá manter sua empresa 100% disponível, todos os dias, a qualquer hora.

Confira mais detalhes sobre a solução Disaster Recovery da Ascenty!

E a sua empresa, já sabe quais soluções para Data Center são necessárias para garantir a continuidade de operação?

Conte com a Ascenty, líder em data centers em toda América Latina, com 28 Data Centers em operação e construção em áreas-chave do Brasil, bem como México e Chile — e uma rede de fibra óptica própria, com mais de 5.000 km de extensão.

Entenda como as soluções para data center da Ascenty podem ajudar o seu negócio, agende uma reunião com nossos especialistas!

As 7 principais tendências em Data Center para 2022

Que tal ouvir o conteúdo?

Não há como negar que 2021 foi um ano de contrastes. Com a volta gradual à rotina de trabalho, muitas empresas se viram diante de uma escolha importante: voltar aos escritórios ou migrar para o home office? Esse é um dos dilemas que moldou as tendências em data center para 2022.

Afinal, o mundo inteiro depende de data centers para manter tudo funcionando, seja trabalhando no escritório ou em casa. E para as empresas, esse recurso já se tornou um dos pilares estratégicos da sua operação.

Tanto que a principal dúvida das organizações hoje não é: “devo investir em um data center?“, mas sim “como melhorar minha solução de data center?“.

Olhe para sua operação e nos diga: ultimamente os esforços se voltaram para otimizar seus processos, certo?

Afinal, a maioria das companhias já identificou grande valor em modelos mais flexíveis de trabalho. Com isso resolvido, é hora de testar limites e expandir sua capacidade produtiva.

O que, neste caso, envolve o investimento em inovações.

Para 2022, as tendências em data center se dividem em várias áreas: algumas inovações importantes em infraestrutura, em capacidade e em sustentabilidade. Que tal conferir as principais? Então confira a lista que preparamos para você!

O mercado de Data Centers para 2022

Após um 2021 transitório, quais respostas o mercado de data center vai apresentar em 2022? Separamos as principais tendências em data center para você conferir, veja!

1.                 Automação de tarefas

A automação está chegando aos data centers de muitas maneiras. Parte da inércia do trabalho remoto gerada pela pandemia criou uma abertura para introduzir a automação de tarefas e a robótica em data centers.

No caso, falamos de exemplos práticos, como empresas que instalaram robôs aspiradores de pó com sensores que mediam as temperaturas e o nível de umidade no data center.

Fato é que à medida que a escala dos data centers aumenta, o volume total de hardware e software que precisa ser gerenciado ultrapassará em muito as capacidades da equipe humana.

Trata-se de um movimento que exige investimentos em prol da otimização de tarefas, o que dá lugar à automatização de tarefas nas instalações de data centers.

É uma maneira mais segura de operar em ambientes com temperaturas altamente controladas, reduzindo os custos operacionais e de refrigeração, e aumentando a segurança.

2.                 Escalabilidade

Quanto mais empresas necessitam de flexibilidade no seu ambiente digital, mais escala é exigida dos data centers. Para responder demandas como essas que soluções como data centers em hiperescala ou o edge computing são ideais.

Desse modo, é possível lidar com as demandas e as cargas de trabalho mais facilmente, dando maior poder à empresa e estabilizando suas operações digitais.

É por isso que cada vez mais empresas vêm investindo em hiperconvergência, que virtualiza os elementos de hardware e os define por software.

3.                 Segurança redobrada 

À medida que as ameaças cibernéticas se tornam mais complexas, os cibercriminosos continuam a visar os data centers — baús do tesouro de dados e informações valiosas.

Hoje, há várias iniciativas de segurança para tornar os data centers e os serviços neles baseados completamente blindados.

Afinal, não é novidade que algumas empresas enfrentaram diferentes tipos de violações de dados.

Por isso, as empresas especializadas no assunto já se garantem, com uma grande inovação prometendo ser uma das prioridades para 2022: a segurança no nível do chip, que protege tanto hardware como o software de invasões.

4.                 Maior preocupação com a sustentabilidade

A TI Verde não é simplesmente uma tendência, mas uma realidade da indústria de data centers.

Não há dúvidas de que as instalações de data centers consomem bastante energia. É por isso que mais empresas do ramo investem em tecnologias sustentáveis.

Desse modo, é possível potencializar a capacidade da tecnologia, ao mesmo tempo em que se reduz o consumo de energia com TI. Para isso, é necessário contar com uma abordagem multifacetada, examinando tudo, desde a produção de energia até o uso de água.

Mais do que reduzir o consumo, a estratégia é migrar para o uso de energia renovável, mirando a eficiência energética em data centers.

Uma das provas disso é o investimento de grandes players do mercado de data centers na Certificação ISO 14.001, que comprova o comprometimento da empresa e a implementação de processos eficazes para melhorar a gestão ambiental.

5.                 Aumento do uso da Inteligência Artificial

Sabemos que Inteligência Artificial não é exatamente uma novidade, mas seria um erro não considerá-la uma tendência em data center.

Neste caso específico, não falamos de uma evolução hollywoodiana, na qual robôs ocupam tarefas do dia a dia, mas de algoritmos cada vez mais complexos e capazes de potencializar as tarefas digitais.

Nos data centers, eles vão automatizar processos mundanos, permitindo que os talentos humanos possam ser aplicados onde mais importa: na criação de soluções e na resolução de problemas.

6.                 Multicloud

Sua empresa já ouviu falar da multicloud? Essa solução é uma das melhores escolhas para organizações que buscam mais escalabilidade, disponibilidade e segurança para sua infraestrutura de dados.

A multicloud é uma combinação de diferentes provedores e serviços de nuvem. Como um combo com as melhores opções, sejam elas públicas, privadas ou híbridas.

Uma das grandes vantagens da multicloud é que, ao contrário da nuvem híbrida, é que as nuvens podem ser interdependentes. Ou seja, elas não precisam ser integradas.

É uma maneira mais flexível e autônoma de configurar a sua infraestrutura de dados.

7.                 Edge Computing

Com a crescente do mercado de IoT e mais consumidores ansiando por serviços de conteúdos digitais, a demanda por redes de alta disponibilidade e baixa latência será maior do que nunca em 2022.

As empresas que buscam aprimorar a experiência do cliente vão recorrer a cada vez mais soluções de edge computing — computação de borda, de modo a aprimorar sua flexibilidade de TI.

Assim, em vez de centralizar seus ativos digitais em uma única (e muitas vezes distante) localidade, eles podem criar uma rede versátil que mantém os dados próximos aos usuários finais e maximiza o desempenho.

Gostou de conhecer as principais tendências em data center para 2022? Buscamos trazer os temas de maior valor para o mercado no momento e que, com certeza, vão ser destaque neste ano.

E então, que tal seguir acompanhando a evolução de cada uma dessas tendências? É só continuar de olho em nosso blog!

Temos novos artigos e conteúdos especializados toda semana, fique de olho!

Entenda a importância da Edge Computing para o Metaverso

Que tal ouvir o nosso conteúdo?

Atualmente, existem diferentes conceitos flutuando na mente dos gestores do Brasil e de todo mundo: edge computing e metaverso. Na hora de compreender cada um deles, é essencial também entender como os dois serão integrados no futuro não tão distante.

Afinal, na prática, para que o metaverso possa realmente funcionar do modo que as propagandas mais criativas mostram, o poder de processamento na nuvem terá que ser 10, 100, mil vezes maior que o atual. E é justamente aí que o edge computing se destaca.

E então, que tal entender mais sobre esses dois conceitos e, por fim, compreender como o edge computing será essencial para o funcionamento do metaverso? Confira!

O que é edge computing?

O Edge Computing é um tipo de arquitetura de computação definida pela localização geográfica ou distribuição de recursos.

Basicamente, trata-se de uma estrutura descentralizada, capaz de processar dados e fazer análises avançadas em qualquer lugar.

Por “descentralizada”, entende-se próximo ou realmente no local onde os dados são gerados. Ou seja, na “borda” da rede convencional — daí vem o nome “edge computing” ou “computação de borda“.

Assim, esses dados não precisam ser enviados para um data center único, centralizado. Desse modo, não há instabilidade e alta latência durante o  processamento de dados.

Pelo contrário, ele é realizado por uma infraestrutura próxima (ou realmente no local) que os dados são gerados.

Não se destina a substituir o cloud computing (onde os recursos de rede estão localizados em todo o mundo), mas sim, procura adicionar a nuvem ao mesmo local da fonte de dados. É como uma evolução do conceito.

O principal objetivo é reduzir o tempo de retorno, especialmente em casos cruciais que precisam de resposta imediata ou emergencial, como carros autônomos e sistemas de alarme.

O que é metaverso?

O conceito de metaverso ganhou popularidade recentemente, com o rebranding do Facebook para “Meta” e a promessa de evoluir a experiência da rede social para um ambiente totalmente virtual e interativo.

Vale destacar que o metaverso não é necessariamente o Facebook 2.0 ou um produto de alguma empresa de Mark Zuckerberg. É uma ideia para as redes sociais no futuro.

Trata-se de um universo que mistura realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR) para criar um mundo completamente digital onde as pessoas possam entrar (com uso de dispositivos como VR headsets) para realizar diferentes atividades, como reuniões, compras, entretenimento — só que virtualmente!

Voltando a Mark Zuckerberg, conforme o próprio disse em entrevista ao The Verge, o metaverso é um tipo diferente de Internet, “onde em vez de simplesmente visualizar o conteúdo, você está nele“.

Ou seja, o próximo passo do Facebook (agora Meta) é se posicionar como uma empresa do metaverso. E sem dúvidas, o metaverso já vem movimentando as marcas e, especialmente, receitas.

A TIM, por exemplo, inaugurou uma loja no metaverso da Cryptovoxels, que é uma plataforma de construção de metaversos.

Afinal de contas, como edge computing e metaverso estão relacionados?

Bom, vamos lá: e como o edge computing pode ser essencial para o metaverso? Essencialmente, estamos falando de uma interface virtual que está enraizada em uma infraestrutura física — data centers, por exemplo.

Hoje, o edge computing já é essencial para melhores experiências AR/VR. Afinal, com a computação de borda, as imagens podem ser renderizadas muito mais próximas do usuário final (em comparação com a nuvem), aprimorando ainda mais a experiência. Para o AR/VR, latência baixa e uma alta largura de banda são cruciais.

Esses são basicamente os requisitos para experiências de metaverso:

  • alta conectividade;
  • baixa latência;
  • serviços de computação e armazenamento virtualizados.

A computação de borda oferece uma infraestrutura distribuída que é colocada em data centers próximos aos usuários e conectada por redes com e sem fio de alta velocidade (incluindo 5G).

Assim, os recursos de edge computing servirão como uma “extensão” da infraestrutura atual para suportar as interfaces ciber-físicas tão avançadas.

O blog da Protocol perguntou a alguns executivos de destaque no mundo da tecnologia justamente como o metaverso impacta o mercado, com foco específico na Internet das Coisas.

A resposta de William Stovall, VP de Enterprise, Mobility & IoT na AT&T chama a atenção. O executivo afirma que o metaverso vai permitir que os usuários experimentem um reino virtual totalmente diferente de hoje.

Mas ele diz que “para que o metaverso seja o mais ideal em termos de experiência possível, os dados de todas as diferentes tecnologias, incluindo a IoT, devem trabalhar juntos. Sensores especiais, alimentados pela conectividade IoT, permitirão que os usuários interajam de maneiras nunca antes vistas“.

As pessoas não querem ser limitadas por locais ou tempo para aproveitarem essas experiências tão intensas.

É por isso que o IoT — e, por si só, o edge computing — é tão importante. Stovall conclui:

“O metaverso também se torna ainda mais “meta” com mais dados, portanto, um aumento no número de pontos de coleta (IoT) pode aumentar a capacidade de aprimorar e obter mais das experiências. […] Adicione a computação de borda à mistura, que aproxima a computação distribuída e o poder de processamento de cada usuário, as experiências ideais do metaverso se tornarão ainda mais uma realidade”.

Na prática, falamos de uma relação real de dependência, já que o edge computing pode proporcionar uma conexão à web potente, minimizando o risco de vazamento de dados e aumentando o controle sobre a movimentação das informações.

Agora que você já compreendeu mais sobre a relação entre edge computing e o metaverso, já possui ideia de como integrar os dois conceitos em seu negócio?

Saiba que a conectividade será um ponto crucial para que as empresas possam explorar o metaverso em todo seu potencial. Por isso, investir em soluções do tipo é essencial!

Gostou desse conteúdo? Esperamos que ajude você a entender mais sobre o assunto.

Para seguir de olho em outras novidades do mercado, é só continuar lendo o nosso blog!

Data Center no Brasil ou no exterior: qual é a melhor alternativa para o seu negócio?

Que tal ouvir o conteúdo?

Quando falamos de infraestrutura de TI e serviços digitais, podemos dizer que a escolha de um Data Center no Brasil ou um Data Center no exterior, a melhor opção é a nacional. Por quê? É o que vamos explicar neste conteúdo. Essa é uma dúvida comum que muitos empreendedores e gestores possuem.

Afinal, não é mistério que países como Estados Unidos e Canadá são mais maduros digitalmente. No entanto, vale mesmo a pena investir mais no seu Data Center, só porque ele é de fora do Brasil? Essa é uma convicção errônea que muitas pessoas têm e que vamos procurar esclarecer a você neste artigo. Que tal seguir a leitura para aprender mais?

Diferenças de se apostar em um Data Center no Brasil ou no exterior?

Não, investir em um data center no Brasil não é o mesmo do que investir em um do exterior. A hospedagem em outro país apresenta várias diferenças para o brasileiro — muitas delas que você pode sentir no bolso e na sua performance diária.

A questão da latência

Se você já leu outros conteúdos do nosso blog, percebeu que tocamos bastante no assunto “latência“. Essa é uma questão central para uma empresa que busca maior performance em sua infraestrutura de dados. E é justamente uma das principais diferenças do Data Center no Brasil para os do exterior.

Vamos ao básico: latência trata basicamente do tempo que a informação leva para ir de um ponto A a um ponto B.

Quanto maior a distância física a ser percorrida (aqui, falamos de cabos, fibra óptica e pontos de troca de tráfego ou Internet Exchange), maior o tempo que o pacote de dados levará para atingir seu destino.

Isso impacta também na estabilidade das operações — o que compromete a atualização em tempo real dos dados.

Aqui, a diferença é básica: o Data Center no Brasil é melhor justamente porque a distância entre seu servidor e sua empresa (ou seu cliente, se você possui algum produto/serviço digital) é menor.

Os custos

Até pouco tempo atrás, era comum ouvir que um “data center no exterior é mais barato do que no Brasil”.

Hoje, essa já não é mais a realidade do mercado. O Brasil evoluiu em relação à tecnologia e infraestrutura de TI e data centers, bem como na manutenção dessas soluções.

Isso quer dizer que as empresas podem contar com data centers baseados em solo brasileiro, com custos alinhados à realidade nacional e sem a incidência de impostos para serviços internacionais, como o IOF — e claro, sem precisar se preocupar com a constante variação do câmbio.

Suporte e manutenção

Já pensou possuir um problema em sua infraestrutura de dados e precisar ligar, se comunicar por chat ou por e-mail com uma equipe em outro país — que normalmente atende em outra língua?

Com um Data Center no Brasil, você garante que todo suporte e manutenção seja realizado por uma equipe presente, próxima do seu negócio e do seu servidor, que possa agir rapidamente para solucionar seus problemas.

Qualidade de serviços

Para empresas que se preocupam com inovação e qualidade no Data Center, saiba que empresas brasileiras cada vez mais investem na inovação de suas infraestruturas.

Além disso, se mobilizam com força pela estabilização de uma operação tecnologicamente sustentável, como é o caso da Ascenty.

São ações que elevam a qualidade dos serviços prestados e aumentam a confiança das empresas na capacidade dos provedores brasileiros.

Por que você deve escolher um fornecedor de data center nacional?

Hoje, optar por um fornecedor de Data Center no Brasil é a melhor escolha para o seu negócio. O principal benefício, além dos custos adequados à realidade brasileira, é a questão da latência.

Uma infraestrutura brasileira proporciona menor atraso no envio dos dados. Para uma empresa moderna e digitalizada, com operação completa ou mesmo parcialmente virtual, isso é essencial.

Isso acontece porque os provedores, especialmente com infraestruturas de alta capacidade, podem oferecer mais links no backbone, proporcionando maiores e melhores possibilidades de conexão.

Outro ponto que vale a pena mencionar são os custos. Em 2014, a Receita Federal brasileira começou a cobrar impostos de empresas de armazenamento e processamento de dados de fora do Brasil.

Com isso, a economia que havia na alternativa de contratar um data center no exterior, deixou de existir.

Entre outras vantagens de investir em um Data Center no Brasil, destacamos:

  • 1. Compliance legal: hoje, existem leis específicas no Brasil para o armazenamento e tratamento de dados — que não existem em outros países, o que pode abrir brechas para processos legais.
  • 2. LGPD e Segurança: um Data Center no Brasil precisa estar em conformidade com as principais diretrizes de segurança, bem como as normas da LGPD, para poder funcionar.
  • 3. Contratos e SLAs personalizados: com um provedor brasileiro, você firma contratos em português e pode acionar seu jurídico para revisar com tranquilidade todas as cláusulas.
  • 4. Suporte próximo e especializado: com Suporte Técnico especializado e baseado no Brasil, você tem a garantia de atendimento agilizado e de qualidade.

Ascenty: a melhor alternativa quando falamos de Data Center no Brasil

A melhor opção de Data Center no Brasil é a Ascenty, a maior empresa em infraestrutura de data centers na América Latina. Além de líder no mercado, possui 28 Data Centers em operação e construção em áreas-chave do Brasil, bem como México e Chile.

Preocupado com latência? Saiba que, além de uma infraestrutura que segue padrões internacionais, a Ascenty possui uma rede de fibra óptica com cerca de 5.000 km de extensão.

Além disso, a Ascenty foi líder do Quadrante de Serviços de Colocation no Brasil do ISG Provider Lens 2021™ , em um estudo independente, que foi conduzido pela Information Services Group (ISG).

Com isso, atestou-se que a Ascenty é capaz de ofertar produtos e serviços atraentes e de qualidade, cumprindo os requisitos necessários para contribuir com o desenvolvimento do mercado como um todo.

Outro ponto é que a Ascenty possui várias certificações reconhecidas nacional e internacionalmente, como ISO 14001, ISO 50001, ISO 37001, entre outras.

Que tal entender mais sobre os nossos serviços e todas as soluções complementares de conectividade que a Ascenty oferece? Agende uma reunião conosco agora mesmo!